01/04/2016 às 11h39min - Atualizada em 01/04/2016 às 11h39min

Você sabia que beijar mais pode ajudar a salvar relacionamentos a beira do fim? Artigo da Dra. Maria Jamile aborda o tema

Por Maria Jamile Ribeiro Duarte Nogueira (médica, terapeuta sexual)
Maria Jamile é médica terapeuta sexual (Foto: AP)

Conhecido como ‘hormônio do amor’, a oxitocina é um hormônio produzido no cérebro e liberado durante o ato sexual, gerando reações no organismo como a liberação de endorfinas e a testosterona, os ditos hormônios da felicidade e também do amor. A oxitocina combate o estresse, regula o sono e provoca bem-estar e é encontrado nas mulheres também durante o trabalho de parto e amamentação.

Abraços, beijos e toques fazem com que haja liberação de oxitocina e, quanto maior a produção, maior será o apego ao companheiro(a). Uma vez liberado, o ‘hormônio do amor’ nos transforma em pessoas felizes e calmas e, com isso, vem a sensação de satisfação em estar com alguém, pois ele transforma nosso organismo, que sai de um presente mal-estar para um bem-estar pleno.

Notem que no início do relacionamento, os beijos acontecem o tempo todo. Depois, com a chegada da rotina, eles [beijos] passam a acontecer de vez em quando. Beijar menos é um sinal de que a relação mudou. Pesquisas mostram que 66% das mulheres e 59% dos homens não se sentiam atraídos por seus parceiros até beija-los. E o que causa a mudança de opinião? A Oxitocina.

Portanto, beijar pode ajudar a manter o amor mesmo em relacionamentos que já duram há anos, enquanto gritarias, brigas e milhares de outros aborrecimentos liberam cortisol e prolactina, causadores de tensões musculares e transtornos viscerais (cólicas intestinais, taquicardia, azia e outros).

Vários estudiosos pelo mundo chegaram à conclusão que qualquer pessoa pode “obter” um pouco mais de oxitocina e, consequentemente, ter uma vida mais prazerosa. Para isso, basta apenas abraçar alguém com vontade ou apenas cumprimentar. Além de melhorar os relacionamentos entre casais, o ‘hormônio do amor’ também evita a ocorrência de depressão e estimula o amor pessoal e interpessoal.

O resumo de tudo isso que eu disse até aqui é simples: Um, dois, três, milhares de carinhos só fazem bem, seja na vida com o seu companheiro ou no relacionamento com as pessoas que fazem parte das atividades do seu dia a dia.

Beije, abrace, dê carinho para o seu parceiro e VIVA A OXITOCINA!


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunapiranhense.com/.
Fale conosco pelo Whatsapp
Fale com o Tribuna Piranhense
Fale conosco pelo Whatsapp