25/05/2016 às 10h48min - Atualizada em 25/05/2016 às 10h48min

Prazo para declaração de vacina contra brucelose termina dia 31

Do Goiás Agora
(Foto: Reprodução)

A data final para declarar a vacinação contra a brucelose bovina e bubalina se encerra no dia 31 de maio. A comprovação da vacinação é feita pelo menos uma vez por semestre, durante todo o ano. No primeiro semestre é até maio e no segundo, até novembro. Os produtores rurais devem ficar atentos ao prazo e procurar a Unidade Operacional Local (UOL) da Agrodefesa no município em que a propriedade está cadastrada e comprovar a vacinação apresentando o atestado. Quem não declarar será autuado no valor de R$ 7 por cabeça.

Segundo a médica-veterinária e coordenadora substituta do Programa Estadual de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose, Carla Giovanna Coelho, a comprovação da vacina é feita por meio de atestado emitido pelo médico-veterinário cadastrado responsável pela vacinação, conforme a legislação vigente. “O atestado deverá ser encaminhado pelo proprietário à Unidade Veterinária Local do serviço oficial de defesa sanitária animal, onde a propriedade está cadastrada. É obrigatória a comprovação da vacinação de bezerras, no mínimo, uma vez por semestre”, explica a veterinária.

De acordo com Carla, são vacinadas contra a brucelose apenas as fêmeas bovinas e bubalinas, com idades entre três e oito meses, somente uma vez na vida. “É proibida a vacinação de machos de qualquer idade e de fêmeas com idade superior a oito meses”, conta a coordenadora.

Para a vacinação de fêmeas entre três e oito meses de idade é obrigatório o uso da vacina com amostra B19. “Por ser uma vacina viva e patogênica para o homem, deve ser manuseada com cuidado, evitando-se a contaminação. Portanto, recomenda-se o uso de óculos e luvas de proteção e deverá ser sempre aplicada sob a responsabilidade técnica de um médico-veterinário”, salienta Carla.

A vacinação, de acordo com a coordenadora, deverá ser feita por um médico-veterinário da iniciativa privada cadastrado na Agrodefesa, ou um vacinador devidamente treinado e supervisionado por este veterinário cadastrado.

A veterinária explica que para identificar os animais vacinados, as bezerras deverão ser marcadas a ferro candente com a letra V, acompanhada do algarismo final do ano da vacinação, no lado esquerdo da cara. “As fêmeas destinadas ao registro genealógico, quando devidamente identificadas, ficam excluídas da obrigatoriedade da marcação a fogo, sendo que, nesse caso, deverá ser utilizado modelo específico de atestado de vacinação”, acrescenta Carla.

A vacina pode ser adquirida em estabelecimentos comerciais de produtos de uso veterinário, registrados no serviço oficial de defesa sanitária animal. Segundo a coordenadora, é obrigatória a apresentação de receita emitida por médico-veterinário cadastrado.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale conosco pelo Whatsapp
Fale com o Tribuna Piranhense
Fale conosco pelo Whatsapp