24/01/2017 às 12h00min - Atualizada em 24/01/2017 às 12h00min

Secretaria da Saúde investiga caso suspeito de febre amarela em Piranhas, GO

Segundo a pasta, a vítima é um homens e viajou para Minas Gerais, onde há um surto da doença. O estado de saúde do paciente é estável.

Tribuna Piranhense - em Piranhas
Jotta Oliveira
Vacina contra a febre amarela (Foto:Reprodução)

A Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (SES-GO) investiga um caso suspeito de febre amarela no município de Piranhas, na região oeste do Estado. Segundo a pasta, a vítima é um homem que estava em viajem e passou por várias regiões de Minas Gerais, onde há um surto da doença.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Piranhas, o paciente trabalha em uma fazenda da região. Ele deu entrada no Hospital Municipal Cristo Redentor, na última sexta-feira (20/01), apresentando febre, dores de cabeça e pelo corpo. Ele foi medicado e não corre risco de morte.

“Logo que o homem chegou ao nosso Hospital Municipal, os procedimentos de rotina já foram iniciados. Ao suspeitar que poderia ser febre amarela, a equipe médica já acionou a Secretaria de Saúde, que, imediatamente, acionou a Gerência Estadual de Vigilância Epidemiológica, para que outras providências fossem tomadas, o que está sendo feito neste momento”, explicou a secretária de saúde, Samara Franco.   

Segundo Samara Franco, o fato de a vítima ter viajado para Minas, possivelmente, indica que a transmissão aconteceu fora do Estado de Goiás. Mesmo assim, a chance de o paciente ter a doença preocupa. Vários exames foram realizados e os resultados devem estar prontos até esta quarta-feira (25/01).

A gerente de vigilância epidemiológica da SES-GO esteve em Piranhas e disse que doses extras da vacina contra febre amarela serão enviadas ainda esta semana para intensificar a proteção da população.

“Falei com a secretária de saúde local e tive a confirmação de que já há vacinas nos postos de saúde. Devem chegar mais mil doses. A população não precisa correr para as unidades de saúde. Haverá doses para todos”, ressalta Magna.

Transmissão

A febre amarela ocorre nas Américas do Sul e Central, além de em alguns países da África e é transmitida por mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. Sua manifestação é idêntica em ambos os casos de transmissão, pois o vírus e a evolução clínica são os mesmos — a diferença está apenas nos transmissores.

No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue). A infecção acontece quando uma pessoa que nunca tenha contraído a febre amarela ou tomado a vacina contra ela circula em áreas florestais e é picada por um mosquito infectado. Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano.

Além do homem, a infecção pelo vírus também pode acometer outros vertebrados. Os macacos podem desenvolver a febre amarela silvestre de forma inaparente, mas ter a quantidade de vírus suficiente para infectar mosquitos. Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra.

Prevenção

A melhor forma de evitar a febre amarela é por meio da vacina, utilizada no Brasil desde 1937 e disponível gratuitamente nos postos de saúde da rede pública.  Ela compõe o Calendário Nacional de Vacinação e é altamente eficaz e segura para o uso a partir dos nove meses de idade em residentes e viajantes a áreas com recomendação de vacina ou a partir de seis meses de idade em situações de surto da doença. A vacina confere imunidade em 95% a 99% dos vacinados.

Sintomas

Os sintomas iniciais da febre amarela incluem febre, calafrios, dor de cabeça, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Em casos graves, a pessoa pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos.

Às pessoas que identifiquem alguns destes sinais, o Ministério da Saúde recomenda procurar um médico na unidade de saúde mais próxima e informar sobre qualquer viagem para áreas de risco nos 15 dias anteriores ao início dos sintomas. Essa orientação é importante, principalmente àqueles que realizaram atividades em áreas rurais, silvestres ou de mata como pescaria, acampamentos, passeios ecológicos, visitação em rios, cachoeiras ou mesmo durante atividade de trabalho em ambientes silvestres.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunapiranhense.com/.
Fale conosco pelo Whatsapp
Fale com o Tribuna Piranhense
Fale conosco pelo Whatsapp