21/05/2014 às 10h24min - Atualizada em 21/05/2014 às 10h24min

Fim do vestibular da UFG já muda rotina de escolas

Adoção do novo método de ingresso na UFG, que seguiu tendência nacional, fez instituições mudarem foco

Por Jotta Oliveira - Do Tribuna Piranhense, em Piranhas
Do O Popular

As escolas de ensino médio e os cursinhos pré-vestibulares de Goiânia já começaram a adaptar a metodologia para corresponder ao novo modelo de ingresso nas universidades do País, principalmente na Universidade Federal de Goiás (UFG). Com a adoção crescente do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), cujo resultado depende da nota do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), diretores, coordenadores e pedagogos se veem obrigados a elaborar estratégias específicas para preparar melhor os alunos. Entre os exemplos encontrados pelo POPULAR, existem desde a aplicação de simulados e questões que reproduzem o perfil do Enem até a criação de turmas extensivas de cursinho, que passam a se preparar o ano todo com foco exclusivo no exame.

A mudança, apesar da divisão de opiniões, existe e altera alguns elementos de uma metodologia que se provou eficaz nas últimas décadas, visto a expressiva aprovação dos alunos goianos nos grandes vestibulares do Brasil. Até então, acostumados a ler e analisar livros literários pré-selecionados para as provas de português e literatura, a se prepararem para a fase de “canetão”, ou seja, de respostas discursivas, e a estudar a fundo o perfil das provas das universidades escolhidas, os alunos agora têm a tão sonhada vaga na faculdade dependendo do desempenho em um exame aplicado em todo o Brasil e cujas questões são conhecidas pela interdisciplinaridade e por testar os conhecimentos gerais do concorrente.

Entre os cursinhos de Goiânia, o Simbios Pré-Vestibular aplicou uma mudança sensível. Segundo o diretor e professor de física Adriano Medeiros, a adoção integral do Sisu pela UFG, fato que só foi confirmado na semana passada, já era esperado e ele optou por arriscar, antevendo uma tendência que, na visão dele, só vai aumentar. Até então, as turmas de cursinho eram semestrais e viam todo o conteúdo de ensino médio em menos de seis meses. Com a mudança do cenário, Adriano e demais professores decidiram por criar turmas extensivas, com matrículas anuais e nas quais os alunos se preparam exclusivamente para o Enem.

“Como só é uma prova por ano e que só acontece no fim do ano, não fazia sentido a gente ter um cursinho por semestre. Por isso mudamos, mas eu acreditava que teríamos alunos matriculados para preencher umas duas turmas extensivas, apenas. No final das contas, deu para montar nove turmas e, ainda, com fila de espera que dava para dividir em mais duas, mas que iria sobrecarregar demais os professores”, expõe o diretor. Essa situação, segundo Adriano, nada mais é que o reflexo da mudança de perspectiva dos estudantes e o fato de que eles já estão percebendo a importância de focar os estudos no Enem.

No Colégio Visão, as mudanças também já começaram a acontecer. O coordenador pedagógico e professor de química, Rodney do Vale, acredita que a unificação do modelo de seleção por meio do Sisu vem para facilitar a vida de todos. Desde o ano passado, quando 50% das vagas da UFG foram ofertadas pelo Sistema Unificado e a outra metade pelo modelo tradicional, o colégio já vinha preparando os alunos de maneira direcionada, mas dividindo a metodologia de acordo com os dois modelos. “Agora, vamos trabalhar mais no formato do Enem, valorizando aulas práticas, aulas interdisciplinares e também os simulados específicos no mesmo molde e com a mesma quantidade de questões do Enem”, afirma.

Uma diferença básica entre o vestibular antigo da UFG e a prova do Enem é que o concorrente não precisa mais ler livros literários para responder questões de português e literatura. O foco é teoria e interpretação de texto. No Visão, as aulas da disciplina já estão voltadas para essa direção e o mesmo está ocorrendo no Colégio e Curso Millenium Classe, onde, segundo o diretor e professor de química Gustavo Silva, o modelo de redação também mudou para atender os critérios de correção do Enem.

Hoje, os alunos do Millenium Classe já recebem duas folhas diferentes de redação. Uma delas é intitulada Redação Enem e, no verso, vem a mesma relação de critérios adotados pelos corretores do exame nacional. “Isso é para treinar e acostumar melhor o aluno”, diz Gustavo. O colégio criou também uma oficina específica, chamada Português, Matemática e Enem, voltada para atender as dúvidas nas disciplinas de maior peso na nota da prova.

Fique atento

Veja como fazer para se inscrever ao Enem:

■ Para concorrer às vagas da UFG é preciso fazer o Enem, cujo prazo de inscrição termina na sexta-feira, dia 23.

■ A inscrição deve ser feita pelo site http://enem.inep.gov.br/

■ Evite as horas mais congestionadas do site; os melhores horários para fazer a inscrição no site do Enem são: até 9h; das 14h às 17h; após 21h.

■ Alunos de escola pública não pagam inscrição; os demais pagam taxa de R$ 35.

Fonte: UFG

 


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunapiranhense.com/.
Fale conosco pelo Whatsapp
Fale com o Tribuna Piranhense
Fale conosco pelo Whatsapp