03/07/2018 às 18h44min - Atualizada em 03/07/2018 às 18h44min

Concurso para delegado da Polícia Civil de Goiás oferece salários de R$ 19,2 mil

São oferecidas 100 vagas, com salário de R$ 19,2 mil. Taxa para participar da seleção é de R$ 200.

Do G1 Goiás
(Foto: Reprodução)
As inscrições do concurso para delegado substituto da Polícia Civil de Goiás, abertas no dia 12 de junho deste ano, seguem até o próximo dia 11 de julho. O salário para as 100 vagas oferecidas é de R$ 19,2 mil. É necessário ser formado no curso de Direito. A taxa de inscrição é de R$ 200.

Os interessados devem preencher o formulário no site da Universidade Estadual de Goiás (UEG), responsável pela organização do concurso. O processo será dividido em nove etapas e entre elas estão provas objetivas, discursivas e avaliação física.

Esse concurso foi autorizado pelo Governo Estadual após a 3ª fase da Operação Porta Fechada, que constatou fraudes no processo seletivo para o mesmo cargo, ocorrido em 2017 e suspenso pela Justiça.

Durante o período de inscrição, os candidatos que participaram do certame passado poderão requerer gratuidade na taxa de inscrição. Já os candidatos que pagaram a taxa na seleção anterior e não vão disputar a atual, podem pedir a devolução do valor pago.

Fraudes

O novo concurso para delegado foi lançado para substituir a seleção realizada no ano passado e que, segundo a Polícia Civil, teve, confirmadas, fraudes em cartões-resposta. Sete pessoas chegaram a ser presas em Goiânia, Nova Glória e Brasília. Todas elas são suspeitas de atuar na compra e venda de vagas.

Entre os detidos estava um ex-servidor do então Centro de Promoção e Seleção de Eventos (Cespe) – atual Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe). Ele aparece em um vídeo manuseando cartões resposta de candidatos que pagaram pela aprovação.

"Este servidor subtraía o cartão resposta dos candidatos, que entregavam os mesmos em branco e, após a subtração, os preenchia indevidamente e os devolvia para a correção. Assim, os candidatos eram aprovados sem fazer qualquer prova", disse o delegado Rômulo Figueiredo, responsável pelo caso.

Advogado do Cebraspe, Marcus Vinícius Figueiredo disse ao G1 na época que a entidade colaborava com as investigações. “Desde quando tomou conhecimento dos fatos, o Cebraspe se colocou à disposição da polícia para cooperar. Os policiais civis de Goiás vieram até a sede e puderam verificar todo o sistema de segurança. Até mesmo as imagens de câmeras de segurança divulgadas foram repassadas pelo centro”, ressaltou.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunapiranhense.com/.
Fale conosco pelo Whatsapp
Fale com o Tribuna Piranhense
Fale conosco pelo Whatsapp