20/10/2021 às 10h14min - Atualizada em 20/10/2021 às 11h15min

Pacientes pós-Covid precisam ficar atentos aos sintomas que exigem continuidade no tratamento

Especialistas alertam para a importância de se buscar ajuda de profissionais da saúde

Paula Batista - Da Sala da Notícia
(Foto: Reprodução)
Redução da força e resistência muscular, disfunção respiratória e comprometimento da mobilidade são alguns exemplos de sequelas que podem ocorrer em pacientes que foram contaminados pela Covid-19. E a recuperação, muitas vezes, passa por um processo delicado e que exige uma série de cuidados especiais.
 
Segundo o pneumologista do Pilar Hospital, Daniel Bruno Takizawa, os principais sintomas da chamada “síndrome pós-Covid” são: fadiga, falta de ar, tosse, dor torácica, dor nas articulações, dificuldade para se concentrar e dor de cabeça. “Estes sinais podem acometer tanto pacientes que tiveram casos leves, que não necessitam de internação, quanto casos graves. Caso esses sintomas persistam após a fase aguda, é melhor procurar um médico especialista para realizar exames complementares, como tomografia de tórax ou outros mais específicos”, explica.
 
O especialista explica que é difícil estimar uma porcentagem de pacientes que passam por essas complicações, pois os estudos mostram grandes variações. “Sabemos que quanto mais grave for a Covid, maior a chance de o paciente ter a síndrome. O problema pode acometer pacientes todas as idades, sendo mais comum em idosos”, relata.
 
A coordenadora de fisioterapia do Pilar, Emmanuelle Monteiro Groszewicz, afirma que há uma tendência de pacientes que se recuperaram em desenvolver fibrose nos pulmões, ou seja, doença que causa lesão e cicatrização do tecido pulmonar, o que dificulta a respiração e afeta a qualidade de vida, podendo levar à óbito. Ela explica que essa é uma doença crônica com alta taxa de mortalidade, que causa uma destruição difusa, progressiva e irreversível do pulmão, causada por uma cicatrização que leva à perda da função pulmonar, pois impede a troca gasosa. Essa cicatriz, por fim, é oriunda de um processo inflamatório grave e acomete cerca de 2% dos pacientes que tiveram covid-19.
 
“O tratamento é realizado através de medicação e exercícios para melhorar a capacidade pulmonar e ainda retardar a evolução da doença. A reabilitação é feita para aliviar os sintomas, melhorar a qualidade de vida e consequentemente a oxigenação pulmonar”, diz a fisioterapeuta. A profissional conta que o transplante de pulmão é a única solução de cura. Os sintomas são dispneia (falta de ar), tosse seca, cansaço e perda de peso sem causa aparente.
 
A procura pelo profissional fisioterapeuta, segundo a Emmanuelle, deve ocorrer a partir do momento em que o paciente não consegue mais realizar algumas atividades que fazia anteriormente sem dificuldades, ou ainda quando sente algum cansaço para realizá-la. Até mesmo coisas simples, como subir um lance de escada ou andar uma quadra.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunapiranhense.com/.
Fale conosco pelo Whatsapp
Fale com o Tribuna Piranhense
Fale conosco pelo Whatsapp